Presidência

Entidades de servidores pedem apoio para a defesa do serviço público

Presidente Mônica Leal recebe o presidente da Associação dos Procuradores do Município e representantes da ACESPA, do Núcleo de Estudos do HPS e da AIAMU.
Mônica Leal garantiu que Câmara intermediará negociações entre servidores e Executivo(Foto: Giulia Secco/CMPA)

Uma agenda coletiva de entidades ligadas aos servidores públicos para saudar o início de gestão da vereadora Mônica Leal (PP) no comando da Câmara Municipal da capital gaúcha foi palco, na tarde desta terça-feira (30/1), para que representantes dos servidores municipais solicitassem o apoio do Legislativo contra a aprovação dos projetos do Executivo que tramitam na Casa e que, segundo eles, retiram direitos do funcionalismo. Na oportunidade, Mônica Leal recebeu representantes da Associação dos Procuradores do Município de Porto Alegre (Apmpa), Associação dos Administradores, Atuários, Contadores, Economistas e Estatísticos do Serviço Público Municipal de Porto Alegre (Acespa), do Centro de Estudos do HPS, da Associação dos Auditores Fiscais da Receita Municipal de Porto Alegre (Aiamu) e do Sindicato dos Servidores da Câmara Municipal (Sindicâmara).

Conforme o presidente da Apmpa, César Emílio Sulzbach, “o Legislativo tem um papel importante para restabelecer pontes que já foram rompidas e não são fáceis de se recompor”. Segundo ele, a Câmara pode atuar como mediador em um diálogo que é necessário para a garantia não apenas dos direitos dos servidores, mas da qualidade do serviço público. De acordo com Sulzbach, o município já terceiriza boa parte das suas atividades e precisa ter, no seu quadro, profissionais competentes, bem remunerados e preparados para atuar na ponta e, principalmente, na fiscalização dos contratos.

Niura Dri, do Centro de Estudos do HPS, destacou que o hospital enfrenta hoje uma grande deficiência de mão de obra especializada. Ressaltou a falta de planejamento e que as remunerações oferecidas pelo município aos médicos não são atrativas em relação ao mercado e que isso está causando um vazio em áreas essenciais como a oftalmologia, por exemplo.

Defensora dos servidores, como ela mesmo se definiu, a presidente da Casa, vereadora Mônica Leal, disse que a Câmara Municipal fará o seu papel de intermediar os interesses dos trabalhadores e os da gestão, sempre pensando na preservação do atendimento ao cidadão, “que é quem, lá na ponta, precisa do serviço público”.

Além de Sulzbach e Dri, Rita de Cássia Eloy, que assume no próximo dia 5 de fevereiro o comando da Acespa, Renan Behling, vice-presidente da Aiamu, e o presidente do Sindicâmara, Jerri Heim, participaram do encontro.

Texto: Milton Gerson (reg. prof. 6539)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)

Tópicos: AmpaSindicâmaraAcespaAiamuservidoresserviço público