Plenário

Sessão Ordinária / Lideranças

  • Movimentação de plenário. Na foto, o vereador André Carús.
    André Carús, na tribuna do Plenário Otávio Rocha, lamentou atitudes do presidente Michel Temer(Foto: Luiza Dorneles/CMPA)
  • Movimentação de plenário. Na foto, a vereadora Sofia Cavedon.
    Sofia Cavedon criticou modelo de repasse de verbas para creches proposto pelo Executivo(Foto: Luiza Dorneles/CMPA)

Durante o período destinado às Lideranças, na sessão ordinária desta quinta-feira (23/11), os vereadores e vereadoras trataram dos seguintes temas:

DÍVIDA - André Carús (PMDB) lamentou decisão do governo federal, comunicada ontem, não dando aval para um pré-acordo ao Plano de Recuperação Fiscal proposto pelo Estado. Observou que o gestão do governador José Ivo Sartori "enfrenta enormes dificuldades devido a problemas estruturais históricos" que levaram o Rio Grande do Sul à crise financeira atual. Segundo Carús, a União negou o pré-acordo com o governo estadual sob o argumento de que as finanças do RS não estariam em estado de calamidade. "O presidente Michel Temer muito nos envergonha. Por esta lógica, o estado que governa com austeridade é penalizado. Manifesto meu repúdio à decisão do governo Temer de rejeitar o pedido postulado pelo governo do Estado. aprofundando ainda mais as distorções do um pacto federativo, e minha solidariedade não apenas ao governador Sartori mas a todos que querem um Estado pujante." (CS)

CRECHES - Sofia Cavedon (PT) criticou os novos termos propostos pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior para repassar recursos às creches comunitárias conveniadas com o Município. "A máscara do prefeito Marchezan está caindo", disse Sofia, ao afirmar que o prefeito não estaria cumprindo a promessa de que aumentaria de 30% a 40% os recursos destinados a essas creches. Segundo ela, os novos termos do convênio repassam apenas R$ 450 por aluno e ainda retira o vale-rancho que essas escolas recebiam. "Ele está retirando o lanche das crianças. O grande anúncio feito pelo prefeito, dizendo que destinaria mais verbas, é uma grande farsa. As creches não vão conseguir se manter, pois, se os seus custos ultrapassarem o valor definido, o governo não assina o convênio. É vergonhoso o tratamento dado às creches comunitárias. Esta gestão é um desastre." (CS)

PREFEITO - Fernanda Melchionna (PSol) destacou que a situação política e social do Município parece decair mais a cada dia. Criticou a manifestação do secretário da Fazenda, Leonardo Busatto, anunciando que não haveria recursos para pagar salários dos funcionários, bem como protestou contra os "projetos neoliberais" que estariam sendo enviados à Câmara pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior. Fernanda também lamentou a participação do prefeito em evento do Movimento Brasil Livre (MBL), que, segundo ela, apoia o governo Temer e "se empenhou em apoiar um golpe parlamentar no país", além de lutar contra o movimento de mulheres, de LGBT e de artistas. "O prefeito foi ao evento do MBL atacar servidores e parlamentares e viaja à Europa com dinheiro público para tentar vender patrimônio de Porto Alegre. Porto Alegre tem história de luta e resistência e não merece este prefeito." (CS)

Texto: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)
Edição: Helio Panzenhagen (reg. prof. 7154)