Plenário

Exército recebe homenagem na Câmara Municipal

  • Período de Comunicações em homenagem ao Dia do Exército. na foto, o General de Exército Edson Leal Pujol.
    General Edson Pujol agradeceu a homenagem e o reconhecimento da população ao Exército(Foto: Elson Sempé Pedroso/CMPA)
  • Período de Comunicações em homenagem ao Dia do Exército. na foto, a vereadora Mônica Leal.
    Vereadora Mônica Leal (PP) propôs a homenagem(Foto: Henrique Ferreira Bregão)

O período de Comunicações da sessão ordinária da Câmara Municipal de Porto Alegre homenageou, nesta segunda-feira (17/4), o Dia do Exército Brasileiro, comemorado em 19 de abril. Dezenas de oficiais, tenentes e comandantes lotaram as cadeiras do Plenário Otávio Rocha para acompanhar a cerimônia proposta pela vereadora Mônica Leal (PP).

“É com muito orgulho, honra, respeito e gratidão que estou aqui para homenagear esta instituição que já fez e continua fazendo muito pelo nosso país”, disse Mônica Leal, ao comentar que as Forças Armadas sempre fizeram parte da sua vida graças ao seu pai, o coronel Pedro Américo Leal, falecido em 22 de agosto de 2016. A vereadora mencionou que Pedro Américo lhe contou muitas histórias, fazendo com que ela tivesse uma relação “estreita e afetiva” com o Exército Brasileiro. “Sou uma filha orgulhosa de pai militar e uma cidadã brasileira admiradora de tudo que o Exército realiza.” Conforme Mônica Leal, a instituição age segundo os deveres e valores da ética e da ordem. “O Exército carrega no peito a medalha da confiança do povo brasileiro.” Recentemente, as mulheres conquistaram o direito de poder ascender a qualquer patente, “conquistando novos postos e vencendo preconceitos”, afirmou.

Comandante Militar do Sul, o general do Exército Edson Leal Pujol agradeceu a homenagem prestada pelos vereadores, em especial a vereadora Mônica leal, responsável pela homenagem na Casa. Em suas considerações finais, o general Pujol falou a respeito da transmissão dos princípios éticos e morais ensinados a quem presta o serviço militar. Ele também agradeceu aos integrantes do Exército brasileiro que exercem diversas funções sociais pelo país. "Atualmente, o Exército continua refletindo em questões da sociedade brasileira, para garantir a paz e a segurança.", disse. Conforme o general, a maior recompensa é o reconhecimento da população nos trabalhos da instituição militar. 

A vereadora Comandante Nádia (PMDB) declarou que esta é uma “justa e merecida homenagem”. Para ela, os valores do Exército se reconhecem também na Brigada Militar e, por isso, ela se sente honrada pela estrita conexão dessas profissões. A vereadora contou que a instituição é um grande ponto de formação para os jovens brasileiros e que seu filho se tornou aspirante do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR) no ano passado. Ao final, ela leu a Carta ao Rei de Portugal escrita por Moniz Barreto, em 1893, que dizia que “a beleza de suas ações (dos militares) é tão grande que os poetas não se cansam de a celebrar".

Afirmando que o Exército jamais se envolveu em guerra de conquistas, Dr. Thiago (DEM) ressaltou a “heroica trajetória de Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, cujos méritos sempre atinaram para a pacificação nacional”. Para o vereador, o Brasil do século XXI não cede espaço para comportamentos preconceituosos e assume uma postura hegemônica voltada para o futuro da humanidade. Nesse contexto, diz Dr. Thiago, é necessário “dar condições para que o Exército possa cumprir os seus nortes constitucionais, ajudando a sociedade brasileira e atuando na minimização do sofrimento ocasionado pela corrupção e pela violência”.

Professor Wambert (PROS) ressaltou que o Brasil vive um momento de uma "absolta escassez de virtudes cívicas, patriotismo e dedicação heroica" ao país. “Nós vemos nas Forças Armadas a esperança que enche nossos corações, pois a instituição permanece intacta no cumprimento do seu dever.” Wambert ainda comentou que, desde a fundação do Brasil, o “Exército foi responsável pela integridade física do país”.

Ao falar de seu arrependimento na dispensa do serviço militar, Rodrigo Maroni (PR) elogiou os princípios éticos da instituição. Segundo Maroni, os militares são o oposto da política. “Enquanto o Exército tem altos índices de aprovação, nós, da política, temos o mínimo de aprovação”, lamentou. O vereador também falou sobre a representatividade do Exército nos quesitos de valores e princípios para a população.

Moisés Maluco do Bem (PSDB) disse ter tido o privilégio de servir ao Exército e creditou à oportunidade de ter prestado serviço militar a ajuda em sua formação como cidadão. Conforme Moisés, o Exército o ensinou a superar limites, adquirir experiências maravilhosas com auxílio de autoridades, bem como a desenvolver espírito de equipe, de resiliência e de resistência. “Muito obrigado pela instituição, pelo o que ela fez por mim e pelos meus colegas”, concluiu.

João Carlos Nedel (PP) disse que o "braço forte e a mão amiga não é apenas um lema para buscar a simpatia ou a aprovação do povo, é uma postura pública, uma vocação, um compromisso institucional do Exército brasileiro". Nedel falou do valor do Exército para a população e dos tempos em que, de acordo com o vereador, o conceito de pátria transcendia interesses pessoais. Ainda segundo ele, o serviço militar é a parte da construção social muitas vezes incompreendida pela sociedade. Citando a funcionalidade histórica do Exército, parabenizou os militares pela contribuição no crescimento do país.

Integraram a mesa, durante a sessão de homenagem: o comandante militar do Sul, general Edson Pujol; o ex-chefe do Estado Maior das Forças Armadas, general José de Carlos de Nardi; o comandante da Ala 3, brigadeiro Jeferson Domingues de Freitas; o comandante da 3ª Região Militar, general Valerio Stumpf Trindade; o chefe do Estado Maior do Comando Militar do Sul, general Douglas Bassoli; o capitão dos Portos de Porto Alegre, general Luiz Alberto Cureau; e o capitão de Mar e Guerra, general Amaury Gomes Junior.

Texto: Cleunice Maria Schlee (estagiária de Jornalismo)
          Munique Freitas (estagiária de Jornalismo)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)