PLENÁRIO

Aprovado plano de reabilitação do Centro Histórico

Prédio conhecido como Esqueletão no centro de Porto Alegre. Cidade. Urbano. IPTU.
A recuperação de prédios abandonados está entre os objetivos do projeto. Na foto, o prédio conhecido como Esqueletão, no centro de Porto Alegre. (Foto: Ederson Nunes/CMPA)

Os vereadores aprovaram, na noite desta quarta-feira (24/11), por 24 votos a 10, projeto para estimular a recuperação do Centro Histórico da Capital. A ideia é duplicar o número de moradores, para aproveitar toda a infraestrutura já instalada, preservar os prédios históricos, incentivar a construção de novos, recuperar os abandonados e aumentar o número de atividades, tanto de dia quanto de noite, para garantir mais segurança. Para tanto, o governo vai afrouxar as regras referentes ao tamanho dos pátios - em alguns casos, quase triplicar a quantidade de terreno que pode ser usado para a construção -, permitir que áreas que hoje são destinadas a garagens e hotéis possam ser usadas para moradias e que as menos povoadas tenham edifícios de até 20 andares. Este é o caso, por exemplo, do trecho entre a rodoviária e o mercado, mais para o lado da rua Alberto Bins, e entre as avenidas Mauá e Siqueira Campos, próximo ao prédio dos Correios. A única preocupação vai ser garantir que elas recebam a luz do sol e tenham ventilação adequada, além de continuar permitindo que se aviste a orla do Guaíba. Os projetos que estimularem a preservação da natureza e a renovação da energia como os com tetos solares, coberturas verdes, aproveitamento das águas das chuvas e acesso ao público vão ter prioridade. A intenção é também diminuir o número de ônibus que cheguem até o centro - mas não, necessariamente, o de linhas e terminais -  e contribuir, assim, para a diminuição no preço das passagens. Também devem ser estimuladas as ocupações mistas, tipo comércio e moradia junto, e a prática de caminhadas e do uso de bicicletas, de casa para o trabalho. As moradias devem abrigar famílias que atendam aos critérios da chamada demanda habitacional prioritária, ou seja, que ganhem menos de seis salários mínimos. Confira as manifestações dos vereadores.

Texto

Joel Ferreira (Reg. Prof. 6098)

Edição

Andreia Bueno (Reg. Prof. 8148)

  • Ver. Ramiro Rosário (PSDB)

  • Ver. Comandante Nádia (DEM)

  • Ver. Idenir Cecchim (MDB)

  • Ver. Cassiá Carpes (PP)

  • Ver. Matheus Gomes (PSOL)

  • Ver. Pedro Ruas (PSOL)

  • Ver. Airto Ferronato (PDB)

  • Ver. Aldacir Oliboni (PT)

  • Ver. Jonas Reais (PT)

  • Ver. Pedro Ruas (PSOL)

  • Ver. Jonas Reis (PT)

  • Ver. Idenir Cecchim (MDB)

  • Ver. Roberto Robaina (PSOL)

  • Ver. Pedro Ruas (PSOL)

  • Ver. Jonas Reis (PT)

  • Ver. Roberto Robaiana (PSOL)

  • Ver. Leonel Radde (PT)

  • Ver. Aldacir Oliboni (PT)

  • Ver. Mauro Pinheiro (PL)

  • Ver. Pedro Ruas (PSOL)

  • Ver. Roberto Robaina (PSOL)

  • Ver. Jonas Reis (PT)

  • Ver. Moisés Barboza (PSDB)

  • Ver. Leonel Radde (PT)

  • Ver. Idenir Cecchim (MDB)

  • Ver. Matheus Gomes (PSOL)

  • Ver. Laura Sito (PT)

  • Ver. Cassiá Carpes (PP)

  • Ver. Aldacir Oliboni (PT)