- Atualizada em 13/07/2017 17:34

Comunidade pede obras emergenciais na Rua da Represa

Moradores temem novas inundações e desmoronamentos no local com a chegada das chuvas.

  • Reunião sobre a  situação da Comunidade da Rua da Represa. Na foto, a secretária Raquel Luz (dir.) e a conselheira tutelar Elenira Rejane Pereira, ambas da Associação da Chácara do Primeiro.
    Elenira Pereira e Raquel Luz (d) mostram fotos dos estragos(Foto: Andielli Silveira/CMPA)
  • Reunião sobre a  situação da Comunidade da Rua da Represa. Na foto, os vereadores André Carús, José Freitas e Aldacir Oliboni.
    José Freitas (e), André Carús e Aldacir Oliboni (d)(Foto: Andielli Silveira/CMPA)

A Comissão de Saúde e Meio Ambiente (Cosmam) da Câmara Municipal de Porto Alegre discutiu, nesta quinta-feira (13/7), a resposta do Executivo e a análise das Secretarias municipais envolvidas sobre os pedidos de melhorias na Rua da Represa e arredores. A comunidade local recorreu à Câmara pedindo intermediação junto ao Executivo para que providências fossem tomadas, tendo em vista as inundações e desmoronamentos ocorridos em razão das recentes chuvas, no início do mês de junho, que deixaram muitas pessoas desabrigadas e causaram uma morte.

Executivo

O secretário-adjunto da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Smsurb), César Hoffmann, destacou que, após a ocorrência das inundações, têm sido feitas novas vistorias com todo o efetivo dos serviços de obras da Zonal Leste. “Está sendo feita a reconstrução do tapume de ferro no local, bem como pequenas obras, para reestruturação das ruas, Também acrescentaremos mais sete equipes para a retiradas das árvores e do lixo que ainda restam.” 

Segundo o engenheiro do DEP/Smsurb, Enio Renato Alves, está em andamento uma obra na Rua Manoel Bittencourt para evitar a erosão, pois existem residências que foram construídas dentro dos valões, impedindo a vazão, o que justificaria a demora das obras. "Mas o trabalho não está parado no local. Já realizamos o desentupimento de diversões canos e a dragagem. Estamos agora buscando a melhor alternativa para melhorar a vazão na localidade.”

O representante da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade Urbana (Smim), engenheiro Sérgio Amaro da Silveira, ressaltou que as obras de infraestrutura no local estão dependendo de estudos de pesquisa do DEP e de aditivos para a continuidade da construção das galerias. “Estamos aguardando o recurso financeiro necessário para o desenvolvimento das galerias e a avaliação do DEP. A obra do último trecho de dragagem das galerias não foi abandonada, vamos continuar a construção.” 

A secretária-adjunta do Desenvolvimento Social de Porto Alegre, Denise Ries Russo, disse que o diagnóstico realizado após a visita no local é de precariedade e por isso foram distribuídas, emergencialmente, cestas básicas aos moradores prejudicados, além de kits para o reparo das cerca de 40 casas danificadas. As cinco famílias desabrigadas foram encaminhadas para o aluguel social. “Estamos aguardando o laudo da Defesa Civil para realocar essas famílias listadas e, em breve, teremos esse retorno.”

Comunidade

A representante da Associação de Moradores da Chácara do Primeiro, Raquel Luz, denuncia que existe descarte irregular de lixo no local, mas que inúmeras vezes fez o pedido de fiscalização ao Executivo e nunca teve retorno. “São inúmeras vezes que flagramos caminhões descartando lixo e ainda cortes indevidos de árvores. Avisamos a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Smam), e o resultado foi esse: inundações e desmoronamentos.” A moradora disse ainda que, se não forem tomadas providências emergenciais, novas tragédias acontecerão. “Os canos que existem ali são insuficientes para dar vazão à água dos temporais e, se não forem trocados, tudo leva a crer que, na próxima chuva, algo pior pode acontecer”, finaliza.

Vereadores

O vereador José Freitas (PRB) sugeriu que o Executivo faça uma força-tarefa emergencial com a comunidade para a realização de mutirões na Rua da Represa. “Creio que, no momento, o mais rápido a se fazer é a retirada de todo lixo do local e a reconstrução dos acessos e da ponte que dava passagem aos moradores e que foi destruída pela chuva. Para isso, é necessário a união da prefeitura e da comunidade local”, explica.

O vereador Aldacir Oliboni (PT) pediu também a manutenção permanente do Beco 19, por onde sempre há alagamentos, a recolocação dos postes de iluminação e o término das obras das galerias. "Desde 2004 os moradores pedem essas melhorias, não podemos permitir que mais pessoas morram no local por falta de infraestrutura.”

O presidente da Cosmam, vereador André Carús (PMDB), sugeriu que seja organizado um mutirão de limpeza do Executivo e da comunidade, a ser realizado no dia 22 de julho, de forma emergencial para minimizar os transtornos dos moradores. Também será agendada, daqui a um mês, uma nova reunião da Comissão para analisar as melhorias realizadas no local, bem como será solicitada outra reunião com o vice-prefeito, Paulo Paim, e o secretário de Assuntos Institucionais do Executivo, com a presença da representação da comunidade. Posteriormente, disse Carús, será instituída uma Frente Parlamentar para a criação de projeto em defesa da Rua da Represa. “Desta forma, poderemos trazer melhorias efetivas a esta comunidade que há anos sofre com as inundações no local.” Também estiveram presentes representantes do Conselho Tutelar da região, da ONG Projeto Surfar e de associações de moradores.

Texto: Priscila Bittencourte (reg. prof. 14806)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)