PLENÁRIO VIRTUAL

Sessão ordinária / Grande Expediente

Movimentação de plenário. Na tribuna, vereadora Comandante Nádia.
Vereadora Comandante Nádia (DEM)(Foto: Débora Ercolani/CMPA)

Apenas um vereador utilizou o período de Grande Expediente da Câmara Municipal de Porto Alegre na sessão desta segunda-feira (29/6). Veja abaixo a manifestação:

COMÉRCIO - “Após 28 anos de Brigada Militar e acompanhar manifestações, me causou espanto ver uma em que as pessoas pedem para trabalhar”, mencionou a vereadora Comandante Nádia (Dem) ao relatar que esteve recentemente com comerciários, donos de lojas e de academias em frente ao Paço Municipal. Nádia destacou que esses setores, depois de ficarem por 90 dias fechados, gastarem com EPIs, álcool em gel e outros materiais para tranquilizar clientes e fregueses, puderam reabrir e fazer “respirar a economia” por apenas 20 dias. Observou que “houve um projeto de lei, votado por 24 vereadores, solicitando a abertura gradual do comércio, a transparência por parte do Executivo, mas que foi vetado pelo prefeito”. Ao citar que este projeto "deve estar seguindo o rito normal", salientou que "assim que ele chegar para votação, nós vereadores temos que derrubar o veto do prefeito”. Conforme Nádia, os primeiros dias de quarentena foram necessários para haver organização, mas que não existe um retorno disso para a população. Enfatizou a impossibilidade de se trabalhar sem transparência e sem saber onde o dinheiro dos porto-alegrenses está sendo investido. Para finalizar, defendeu a abertura do comércio, o isolamento de grupos de risco, mas que “jovens e adultos com nenhuma doença têm que voltar à normalidade”. Na opinião da vereadora, “o prefeito não pode querer governar por decretos”. (BSM)

Texto

Bruna Schlisting Machado (estagiária de Jornalismo)

Edição

Marco Aurélio Marocco (reg. prof. 6062)